sábado, 30 de janeiro de 2010

Bastardos Inglórios


No cinema, o assunto II Guerra Mundial é sempre contada. Exemplos de filmes na mente são A Queda! - As Ùltimas Horas de Hitler e o recente Operação Valquíria, ambos com o ditador alemão Adolf Hitler como tema principal. Mas Bastardos Inglórios do diretor cult Quentin Tarantino poderia entrar nesta lista de filmes de guerra se não fosse por seu modo diferente de contar uma história que estamos acostumados a assistir.

A película é passada na época da II Guerra, numa França ocupada pelo exercito alemão e somos apresentados a história da sofrida Shosanna Dreyfus (a francesa Mélanie Laurent), que vê sua família inteira ser morta na casa de campo onde viviam por uma tropa comandada pelo Coronel Hans Landa (o austríaco Christoph Waltz, sensacional). Tempos depois do trauma, Shosanna vive em Paris e é proprietária de um cinema. Na outra parte da história, vemos o Tenente Aldo Raine (Brad Pitt), que lidera um grupo de judeus para lutar contra os nazistas, intitulado o nome do filme, com a missão de acabar com o já citado Adolf Hitler.

O que Bastardos Inglórios diferencia-se de outras produções do gênero é o próprio gênero. A sacada de roteiro do próprio Tarantino é transformar um assunto que acaba sendo batido numa história alternativa, onde significa que pode usar drama, comédia, ação, ou seja, vários tipos num só, o que torna um filme interessantíssimo. Outros destaques ficam por conta do ótimo elenco, onde cada ator tem o seu tempo em tela e consegue muito bem usufruí-lo e a direção de Tarantino, que confirma-se cada vez mais um diretor versátil, principalmente nas cenas de violência, marca registrada do cineasta.

Bastardos Inglórios mostra-se que não é um filme de guerra qualquer, mas sim um verdadeira aula de como fazer filmes. Com um elenco afinado e um roteiro primoroso, é um filme que entra no round de produções que vai marcar uma geração cinematográfica. Alternativo e bem contado, é um verdadeiro cinema.

Cotação: 9,5

Título Original: Inglourious Basterds
País de Origem/Ano de Produção: EUA/Alemanha/França, 2009
Direção: Quentin Tarantino
Roteiro: Quentin Tarantino
Elenco: Brad Pitt, Christoph Waltz, Mélanie Laurent, Eli Roth, Michael Fassbender, Diane Kruger, Daniel Brühl, B.J. Novak, Til Schweiger, Mike Myers.

14 comentários:

Mazza disse...

Gostei muito do filme também, vi 3 vezes no cinema e se ficasse mais olharia tbm...rs Mas mesmo com isso, discordo no ponto que você comentou da parte técnica já que olhando mais detalhamente podemos perceber algumas falhas evidentes, principalmente no que diz respeito aos tais erros de continuidade. Ok, em todo filme isso acontece mas aqui é isso é muito claro, talvez devido ao pouco tempo em que todo o filme foi feito, em torno de 1 ano (entre a oficialização do filme até o seu lançamento). De todo modo, são detalhes perto do que o filme é, mais uma grande obra de Quentin Tarantino.
Saudações
P.S: com esse filme, acabei comprando a trilha sonora e o roteiro original que li em duas noites, pq estava cheio de coisas para fazer. Enfim, tem coisas que somente o Tarantino parece despertar nos cinéfilos ! rss

bruno knott disse...

Oi Mayara... espero que não leve a mal o comentário do meu colega acima...

Eu curti o seu review, principalmente quando você diz que o Tarantino transformou um assunto batido em algo alternativo. Curto muito a segunda guerra, mas tava faltando criativadade nessa tema, né? E ele conseguiu.

9,5 é bem justo. Meu filme preferido do ano, provalmente!!

Até!

Reinaldo Glioche disse...

É verdade. Tarantino e sua " segunda guerra alternatva" tornaram-se o filme de guerra definitivo. Ambrangente, inventivo, original e envolvente. Para ficar no mínimo. Sobre o post anterior é verdade. Vi que vc gostou da música Be italian. Na hora em que li o post entendi errado. Mal entendido desfeito. Bjs

Jack Lewis disse...

Mayara, tudo bom?
Gosto desse também, (uma nota mais baixa eu atribui) - mais o elenco está ótimo assim como o roteiro e a direção, e mesmo que não seja um grande fã do Tarantino como muitos por ai, gostei dessa fita!

Vinícius P. disse...

Fazia tempo que não via um longa que me deixava tão encantado quanto foi com "Bastardos Inglórios". Cinema de alto nível, como era de se esperar do Tarantino.

Kamila disse...

Mayara, que bom que gostou de "Bastardos Inglórios". A obra é excelente, tem uma ótima técnica e é um longa maduro de um diretor que já era sensacional!

Mazza disse...

Bruno, desculpe se pareceu o contrário mas também gostei muito de Bastardos e daria uma nota entre 9 e 9,5, assim como a nota da Mayara. Apenas comentei sobre os erros de continuidade mas só, desde já estou aguardando o lançamento do filme em dvd para colocar na coleção. E vamos ver na terça com as indicações ao Oscar. Não que ache que o filme tenha chances mas só de conseguir várias indicações e provavelmente também de melhor filme, já será muito bom!
Abraços

Luis Galvão disse...

Acho que é impossível não amar essa obra, tudo nela é tão perfeito, atores, técnica, roteiro. Enfim, é um filme para ter na coleção com certeza.

Weiner disse...

Inglorious Basterds é o melhor filme do Tarantino, e gostaria muito que tivesse recebido mais reconehcimento nesta temporada. Conta com um elenco fabuloso (destque para Waltz e Laurent) e um roteiro digno dos mais animosos aplausos!

Wally disse...

Realmente é sangue novo para um estilo de filme já cansado. Tarantino é um gênio e este é o melhor filme de 2009.

Nota 9.5

Pedro Henrique disse...

Obra-prima. Um dos melhores filmes que já vi. Só não é meu favorito do ano passado porque Jim Cameron fez Avatar pra Dezembro.

Eduardo Albuquerque disse...

"diretor cult Quentin Tarantino". Só acho que o Tarantino tá longe disso, huauaa. E parabéns pelo blog, gostei muito da crítica.

Rafael Moreira disse...

Simplesmente o meu filme favorito da ano passado. MAs aí é injusto, não? Já que meu diretor vivo Favorito é o Tarantino, kkkkk! É uma das poucas obras sobre a 2ª guerra que dá totalmente certo ;D

Madame Lumière disse...

Tarantino entrega a melhor performance dele, na minha opinião exatamente pelo que você falou "ser alternativo" e ainda lançar um trabalho bem mais equilibrado, um roteiro renovado, um elenco imbatível. É uma obra prima!

bjs!