domingo, 22 de agosto de 2010

A Origem


È inevitável que na hora que nos retiramos depois de mais um dia cumprido, ter aquele momento crucial em poder descansar a cabeça e sonhar com novas expectativas de vida, futuro e outras coisas. No cinema, essa temática é muito tratada na fantasia, mas nunca que chega um filme do gênero que acabasse gerando muitas discurssões, como é o caso de A Origem.

Leonardo DiCaprio é Don Cobb, um especialista na arte de roubar segredos do subconsciente das pessoas durante o sono, mas por trás deste articulador, tem um sujeito que tem que sofrer o dilema de não poder ver seus filhos, e, principalmente, com a perda de sua esposa Mal (interpretada pela francesa Marion Cotillard), que sempre está presente em seus sonhos. Para um chamado último serviço, ele acaba aceitando a proposta do empresário Saito (o japonês Ken Watanabe) para entrar na mente de um herdeiro de um executivo para implantar uma ideia.

Uma premissa assim podemos imaginar o que esperar de A Origem, já que antes de seu lançamento era um grande suspense com relação a sua história e o papel de cada personagem. Aqui, o realizador inglês Christopher Nolan tem um certo cuidado em cada detalhe, como no bom uso do slow motion em cenas de maior tensidade, além das sacadas do roteiro na questão de deixar o espectador conseguir montar cada peça da história. O uso da trilha sonora instrumental de Hans Zimmer e da influência em Edith Piaf consegue trabalhar perfeitamente com o tom e o elenco todo merece méritos, por cada um ter sua importância e usar bem seu espaço.

A Origem faz com que o espectador tenha o seu próprio ponto de vista sobre sua premissa. Com um elenco em total sintonia, é mais do que um filme-pipoca, mas sim uma experiência ambiciosa e muito bem elaborada. È um sonho real que dá vontade de não acordar mais.

Cotação: 10

A Origem (Inception, 2010)
Direção: Christopher Nolan
Roteiro: Christopher Nolan
Elenco: Leonardo DiCaprio, Joseph Gordon-Levitt, Ellen Page, Tom Hardy, Ken Watanabe, Dileep Rao, Cillian Murphy, Tom Berenger, Marion Cotillard, Pete Postlethwaite, Michael Caine, Lukas Haas.

18 comentários:

cleber eldridge disse...

Do tempo que gosto de cinema, nunca tinha visto algo tão "geral", como os comentários super positivos em cima do filme de Nolan, uma obra-prima da criatividade.

Mayara Bastos disse...

Cleber, os comentários positivos são muito merecidos. O filme merece todos os méritos. ;)

Matheus Pannebecker disse...

Eu não chego a dar 10 para "A Origem", mas entendo completamente quem atribui essa nota para o filme. Porque, de fato, é um ótimo longa!

dialogandocinema disse...

Concordo plenamente quando escreve "(A Origem)é um sonho real que dá vontade de não acordar mais."
Um Grande abraço.

Pedro Henrique disse...

Então, não gosto tanto assim do filme, mas sem dúvida Nolan está construindo uma carreira de autor comercial de dar inveja.

Mayara Bastos disse...

Matheus, compreendo. Mas é uma louca e ótima experiência! rsrs. ;)

dialogandocinema, muito obrigado! ;)

Pedro, entendo. Depois de "ressuscitar" Batman, acho que acabamos esperando por mais uma surpresa por parte do Nolan. rs. ;)

Alex Gonçalves disse...

Continuo com meus pés atrás, Mayara. Os elogios direcionados para "O Cavaleiro das Trevas" tinham o mesmo peso e eu odiei o filme. Mas eu vou arriscar uma conferida um dia.

Abraços!

Kamila disse...

Mayara, este filme é simplesmente genial, pela sua proposta, por levar a linguagem cinematográfica além e por instigar a discussão. Filmes como "A Origem" são raros, hoje em dia.

Beijos!

bruno knott disse...

Não acredito que ainda não fui assistir ao filme...

Só leio coisa boa sobre ele.

Wally disse...

Nota merecida! Obra-prima, sem sombra de dúvida.

pseudo-autor disse...

Uma das melhores experiências que o cinema proporcionou esse ano. Agora começa a angústia pelo novo Batman!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Elton Telles disse...

Olá, Mayara!

Wow! Belo texto para um texto idem. "A Origem" já nasceu um clássico. Filmaço irrepreensível o/

E Nolan comprova seu talento abundante, a cada ano lançando uma fita interessante. Esse eu nao considero o seu melhor, mas não está muito distante disso =)


bjo!

Cristiano Contreiras disse...

Ainda estou num misto de êxtase e incredulidade…realmente, é do tipo de filme que tem toda uma subjetividade e simbolismo que se tornam mais impressionantes que as próprias cenas de efeitos visuais ou de ação.

Confesso que tive que pensar muito em diversas cenas – ainda mais no segundo ato do filme, quando um sonho se submete ao outro(os estágios das camadas do subconsciente)…

por isso, me perdia constantemente…deixei passar certos diálogos e contextos…é, as primeiras impressões não bastam e preciso rever o filme, creio que vá ainda hoje…ontem a sala lotou…

Achei DiCaprio merecedor de uma certa estatueta dourada, mas acho difícil…mais fácil Marion Cotillard ter indicação. Page, além de graciosa, teve momentos de pura inspiração na atuação. O elenco funcionou muito bem, de fato…e concordo que há cenas que são impactantes, mas pra mim o psicológico falou mais alto e o simbolismo, enfim.

Bem, o filme mexeu comigo e muito…sem palavras!

Abs!

Vinícius P. disse...

Ao contrário de 9 entre 10 cinéfilos, ainda não consegui ver esse filme, o que sem dúvida é algo para ser corrigido em breve, rsrs.

Otavio disse...

O filme é fantástico! Vai marcar época e ainda será discutido por muito tempo. E bem ou mal, estão todos falando dele.

Bjs!

Mayara Bastos disse...

Alex, esse valeu a pena. Espero que goste! Abraços! ;)

Kamila, disse tudo. E a boas discussões, aliás. Beijos! ;)

bruno, espero que consiga assistir e aprecie também. ;)

Wally, com certeza! ;)

pseudo-autor, uma experiência inesquecível mesmo. ;)

Elton, muito obrigado! E preciso assistir os outros filmes do Nolan, principalmente de começo da carreira. Beijos! ;)

Cristiano, tive quase essa mesma sensação e tinha medo de sair boiando do cinema, rsrs. E isso foi uma surpresa, por que mexe com a inteligência do espectador. E assino embaixo sobre o trio de atores. Abraços! ;)

Vinícius, espero que consiga assistir ao filme, tenho certeza que irá amar. ;)

Otavio, assino embaixo. E é uma delícia discutir sobre esse filme, rsrs. Beijos! ;)

Rafael Moreira disse...

Muito, muito bom, hein? Já revi e sai do cinema com aquela vontade de ver novamente. A maestria que Nolan comanda seu filme é muito atraente. Pode até não ser o melhor filme do ano, mas sem dúvida a direção é a melhor. Beijos!

Mayara Bastos disse...

Rafael, com certeza. Estou com vontade de rever e, para mim, entrou na lista de belas tomadas do ano. Nolan conduz muito bem sua câmera. Beijos! ;)