sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A Jovem Rainha Vitória


Como os livros de História contam, a Era Vitoriana foi uma época de prosperidade e paz para a Inglaterra e o auge da Revolução Industrial. E por ser o período de reinado de Vitória Alexandrina, que durou de 1837 a 1901. A Jovem Rainha Vitória retrata a intimidade da monarca de uma infância de regras a descoberta da maturidade em meio a pressão do destino.

Vitória teve uma infância de regras e cuidados, como descer as escadas somente com companhia de uma criada, por exemplo. Aos 18 anos - e interpretada por Emily Blunt - é a primeira na ordem de sucessão do tio, o Rei William (Jim Broadbent). Ela se recusa a conceder a regência do país a sua mãe, já que o tutor natural seria John Conroy (Mark Strong), administrador e companheiro da mãe de Vitória. Com a pressão política, ela se aproxima mais de seu primo, o Príncipe Albert (Rupert Friend), mesmo com os pequenos cortejos de antes.

O foco principal do filme é o relacionamento que Vitória nutre com Albert, que era treinado para o poder. A pressão que a nossa heroína tinha deixava-a mais solitária do que era, mais pelo modo de como era criada, sentindo-se com uma peça de xadrez, em um jogo contra sua vontade. Pode soar piegas o romance, mas aqui o roteiro ganha uma guinada maior.

A parte técnica tem a sua sutileza, principalmente nos figurinos. As atuações dos atores são de acordo com um filme de época, corretas, mas com destaque maior a Emily Blunt, mostrando versatilidade em interpretar uma personagem forte e decidida e conseguir uma boa química com seu companheiro de cena, Rupert Friend, especialmente na cena de Vitória pedindo seu amor em casamento.

A Jovem Rainha Vitória é satisfatório em não cansar, mas sim em cativar o espectador com uma história de amor envolvente e saber que Vitória conseguiu ter seu final feliz ao lado do homem que ama, além de ter a ajuda dele para transformar a Inglaterra, que segundo os livros, teve o seu melhor período.

Cotação: 8,5

A Jovem Rainha Vitória (The Young Victoria, 2009)
Direção: Jean-Marc Vallée
Roteiro: Julian Fellowes
Elenco: Emily Blunt, Rupert Friend, Paul Bettany, Miranda Richardson, Jim Broadbent, Thomas Kretschmann, Mark Strong, Jesper Christensen, Harriet Walter, Jeanette Hain, Julian Glover, Michael Maloney, Michiel Huisman, Genevieve O'Reilly.

9 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Este filme tem uma sensibilidade e um romance que agrade, achei a direção eficiente. Muito competente. Seu texto mostra bem o que a trama transparece. Blunt está bem, é o destaque. Gosto de Broadbent, Bettany e Miranda Richardson também.

abraços!

Mayara Bastos disse...

Cristiano, a sensibilidade que colocaram na história também me agradou. Também gostei dos atores mencionados! Abraços! ;)

Weiner disse...

Quando vi The Young Victoria pela primeira vez, ainda no início do último ano, não havia percebido quão marcante era a produção. Apanhei-o novamente, na videolocadora, e desta vez me atentei para o apuro técnico (que realmente é deslumbrante), para a belíssima canção de Sinnead O' Connor e claro, para as performances do elenco, que estão facilmente entre as melhores do ano!

Wally disse...

Um dos filmes na lista para serem conferidos em breve. O elenco é ótimo.

Elton Telles disse...

Não esperava nada além de mais um filme chato sobre a monarquia inglesa, mas acabei me surpreendendo com a sutileza e a autenticidade do filme. Tem algo muito chamativo em "A Jovem Rainha Vitória", além da boa direção e do ótimo elenco, sobretudo Emily Blunt. Gostei muito da fita!

[****]


bjs!

Matheus Pannebecker disse...

Não sei, filmes de época, para mim, são sempre a mesma coisa. Gosto, mas não consigo me empolgar. Não foi diferente com esse "A Jovem Rainha Vitória".

Kamila disse...

AMO esse filme, especialmente porque mostra o crescimento de uma mulher, que divide poder e amor igualmente. A história de amor dela e de Albert que fazem deste filme algo especial. Fora a excelência da parte técnica.

Jonathan Nunes disse...

Já fica até chato falar da maravilhosa parte técnica desse filme, e também não podemos negar a grandeza da atuação da Emily Blunt, na verdade temos um ótimo elenco secundário aqui.

Otavio disse...

O filme é bom. Mas Emily Blunt é melhor!