quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Um Homem Sério


Um Homem Sério tenta uma identificação imediata pela questão dos conflitos de um homem com relação a casamento e religião, mas um dos fatores de ele não causar isso é não segurar os dramas de seu protagonista e torná-lo cansativo. E isso é uma pena em se tratando de cineastas como Joel e Ethan Coen, conhecidos pela acidez em suas histórias.

Ambientado em 1967, acompanhamos um professor de Física – Larry Gopnik (Michael Stuhlbarg), que está em uma grande maré. Sua esposa se apaixonou por um colega seu e quer o divórcio, não tem o respeito dos dois filhos e tem um irmão com problemas mentais e dorme em seu sofá e teme em ser ou não efetivado em seu trabalho na Universidade de Midwestern.

Sentindo-se numa espécie de campo minado, Larry recorre sua religião de origem, a judaica, e pede o conselho de três rabinos e cada um dando uma orientação diferente que não ajudam muito. O roteiro define bem a importância da religião e seus costumes e atos, mas ele acaba ficando cansativo por não saber o que fazer, deixando o filme arrastado em muitos momentos.

Mesmo com estes fatores, Um Homem Sério tem suas qualidades, como o cuidado com a fotografia, elemento-chave muito bem usado nos filmes dos irmãos Coen e a ótima atuação de Michael Stuhlbarg, simples e causando simpatia imediata.

Um Homem Sério é raso, tem as suas intenções e um início promissor, mas chega a ficar cansativo a ponto de chamar o relógio para acompanhar a sessão. Uma pena, já que se tratando dos Coen, poderia sair um filme inesquecível.

Cotação: 5,5

Um Homem Sério (A Serious Man, 2009)
Direção: Joel e Ethan Coen
Roteiro: Joel e Ethan Coen
Elenco: Michael Stuhlbarg, Richard Kind, Fred Melamed, Sari Lennick, Peter Breitmayer, Ari Hoptman, Aaron Wolff, Jessica McManus.

14 comentários:

Otavio disse...

Eu acho que o filme só fala diretamente com aqueles que são 100% fãs dos Irmãos Coen. É algo que só existe no universo deles. Diferente de "Queime Depois de Ler", por exemplo, que é capaz de agradar aos fãs + não-iniciados. E parece o caso de "Bravura Indômita".

Bjs!

Mayara Bastos disse...

Otavio, concordo. E não sou fã, apesar de gostar de outras produções deles. Mesmo esse não ter me agradado tanto, boto fé em "Bravura Indômita". Beijos! ;)

Jonathan Nunes disse...

Não gosto muito dos irmãos Coen para falar a verdade dos filmes mais recentes só gostei de Queime Depois de Ler, esse é um dos mais fracos deles, no aguardo do tão comentado "Bravura Indomita".

Mayara Bastos disse...

Jonathan, gosto deles, mas esse não consegui me envolver. Mas estou curiosa pelo novo deles. ;)

Ju B. disse...

Que pena, pretendo ver Um Homem Sério em breve e estava com muitas expectativas, pois adoro dramas. Geralmente eu tenho maior paciência do que a maioria com filmes lentos, talvez eu consiga curtir pelo menos em parte, como você. ^^
Estou linkando a Apaixonada por Cinema no meu novo blog, aparece lá quando puder:
http://moviewalk.blogspot.com/

Bjs.

Elton Telles disse...

Mayara não perdoou hehe.
O comentário do Otavio foi mesmo bem pertinente. Eu admiro muito os Coen, sou fã de suas obras e do seu cinema tão pessoal, e achei "Um Homem Sério" fantástico, tem um argumento muito interessante e bem trabalhado, apesar da subjetividade que realmente deixa alguns de cabelo em pé. E entendo quem não tenha gostado, conheço muita gente que odiou o filme hehe.

Que venha "Bravura Indômita"! =)


bjs

Mayara Bastos disse...

Ju B., pode ser que goste mais do filme que eu, achei decepcionante. E irei fazer uma visita ao seu blog. Beijos! ;)

Elton, rsrs. Ele está certo, quem é fã deles, vai apreciar bastante. Não odiei, só achei decepcionante. rsrs. E que venha "True Grit", então. Beijos! ;)

Kamila disse...

Ao contrário de você, eu gostei bastante de "O Homem Sério". Fato que me surpreendeu, já que eu tenho um pé atrás com os filmes dos Irmãos Coen! Mas, adorei esse aqui, a reflexão que ele faz e a performance do Michael Stuhlbarg.

Weiner disse...

Mais uma vez, os irmãos Coen me decepcionaram - nada me faz gostar deles, incrível! Este aqui além de arrastado, é dono de um dos desfechos mais ridículos em anos. Gostei da abertura, apenas.
Beijos!

cleber eldridge disse...

Chamo esse, de um filme descartavel!

Wallace Andrioli Guedes disse...

Olá, Mayara, estou conhecendo o seu blog, e gostei bastante. Vou colocar um link lá no meu, se não se importar.
Então, sobre UM HOMEM SÉRIO, eu discordo completamente de você (talvez por eu ser um fã 100% dos Coen, como disse o Otávio lá no primeiro comentário, ou quase isso). Acho um filme brilhante, em sua melancolia disfarçada de comédia, com seu elenco primoroso, seu pessimismo devastador (o que é aquele final?!). Só não é o melhor do Coen desta década que terminou por culpa da obra-prima ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ...

Hugo Leonardo disse...

Também achei este meia-boca, dos mais fracos da (grande) carreira dos irmão. E TRUE GRIT é um western excelente, vai agradar muita gente, creio ...

Kahlil Affonso disse...

o filme possui seus momentos, mas não é tão bom como falam

http://filme-do-dia.blogspot.com/

Mayara Bastos disse...

Kamila, esperava mais dele, mas amei a atuação do Michael Stuhlbarg. ;)

Weiner, gosto deles, mas esse não consegui me identificar, gostei da abertura. Beijos! ;)

Cleber, descartável mesmo. ;)

Wallace, obrigado pela visita. Não sou fã dos Coen, aliás, o filme me cansou em alguns momentos. "Onde os Fracos Não tem Vez" é melhor que esse. rsrs. ;)

Hugo, que venha "True Grit". rsrs. ;)

Kahlil, concordo! ;)