domingo, 10 de maio de 2009

O Cinema e seu Lado Maternal

Na rotina corrida em que vivemos, muitas vezes não temos a chance de aproveitar as coisas essenciais da vida. Amor de mãe é uma delas. Seja para curtir, lembrar ou mesmo cultivar, o Dia das Mães foi criado para que os filhos possam homenagear aquelas que dedicam a eles momentos preciosos. O cinema também usa mães como exemplos para nos contar histórias que emocionam ou divertem. Eis, logo abaixo, alguns filmes que expressam o amor materno, de várias formas possíveis.

P.S.: Dedico este espaço para todas as mães, superprotetoras, companheiras, amigas, que sempre está no nosso lado para o que der e vier!


Dumbo, de Ben Sharpsteen (Dumbo, 1941)

Dumbo é um bebê elefante que nasceu com orelhas enormes e com a ajuda de Timóteo, simpático ratinho, vai se transformar na principal atração de um circo. Usando suas orelhas, ele faz o que nenhum outro elefante conseguiu: voar. E conta com o amor da mãe para superar o preconceito.




Laços de Ternura, de James L. Brooks (Terms of Endearment, EUA, 1983)

Aurora (Shirley MacLaine), uma viúva, e Emma (Debra Winger), sua filha, apesar de se amarem tem uma relação conflituosa. Entretanto, tudo muda quando a filha descobre que está com câncer e, ao mesmo tempo, toma consciência de que foi traída por Flap (Jeff Daniels), seu marido. Simultaneamente sua mãe após anos passa a se interessar por Garrett Breedlove (Jack Nicholson), um vizinho paquerador.



Òleo de Lorenzo, de George Miller (Lorenzo's Oil, 1992)

Augusto Odone (Nick Nolte) e Michaela Odone (Susan Sarandon) são os pais de um garoto que tem uma rara doença cerebral. Frustrados pelos médicos não terem o diagnóstico para uma doença tão grave, eles começam a pesquisar e a estudar sobre a doença, tentando encontrar uma nova esperança para seu filho.




Nas Profundezas do Mar Sem Fim, de Ulu Grosbard (The Deep End of the Ocean, 1999)

Michelle Pfeiffer é uma mãe carinhosa de três filhos. Durante uma festa, um deles é seqüestrado, o que enche a mãe de remorsos durante nove anos, quando Beth encontra um garoto parecido com seu filho, vivendo com outra família. Novamente cheia de esperanças, ela decide insistir para que a polícia reabra o caso.



Sexta-Feira Muito Louca, de Mark Waters (Freaky Friday, 2003)

Tess (Jamie Lee Curtis) e Anna (Lindsay Lohan) são mãe e filha que vivem às turras. Decididas a acabar com as brigas, elas repentinamente trocam de corpos. Agora cada uma precisa aprender a lidar com a vida da outra, com as confusões crescendo ainda mais pelo fato de Tess estar de casamento marcado.


Juno, de Jason Reitman (Juno, 2007)

Juno MacGuff (Ellen Page) é uma adolescente que engravida de maneira inesperada de seu colega de classe Bleeker (Michael Cera). Com a ajuda de sua melhor amiga, Leah (Olivia Thirlby), e o apoio de seus pais, Juno conhece um casal, Vanessa (Jennifer Garner) e Mark (Jason Bateman), que está disposto a adotar seu filho, que ainda nem nasceu.


Mamma Mia!, de Phyllida Lloyd (Mamma Mia!, 2008)

Donna (Meryl Streep) é dona de um pequeno hotel e mãe solteira da espirituosa Sophie (Amanda Seyfried), que vai casar. Donna precisa superar o fato de que irá ficar sozinha e convida duas amigas especiais para o casamento da filha, do tempo que era vocalista de uma banda chamada Donna and the Dynamos. Procurando conhecer a verdadeira identidade de seu pai, Sophie convida secretamente três homens especiais.


Marley & Eu, de David Frankel (Marley & Me, 2008)

O filme é baseado no best-seller homônimo escrito por John Grogan. Mostra a vida de um jornalista (Owen Wilson) que, junto de sua mulher (Jennifer Aniston), decide adotar um cachorro para sentir o gosto da paternidade. Só que o cão é terrível, apronta diversas travessuras e transforma a vida do casal num inferno.


A Troca, de Clint Eastwood (Changeling, 2008)

Christine Collins (Angelina Jolie, indicada ao Oscar pelo papel) é uma mãe que ora fervorosamente para que seu filho retorne para casa. O menino foi seqüestrado em uma manhã de sábado, após ela ter saído para trabalhar. Com a ajuda do reverendo Briegleb (John Malkovich) e após meses de buscas intensas, finalmente, a polícia encontra o garoto. Mas algo está errado e, em seu coração, Christine desconfia que ele não seja seu filho verdadeiro.

9 comentários:

nitzombies disse...

excelente post, uma bela homenagem as mães...

eu achei que vc não ia citar A TROCA, mas vc citou no fim.. hehehe

me lembrei de outro, BAMBI!

até mais!

Jeniss Walker disse...

um post joia, Mayara.
gostei muito das menções de "Laços de Ternura" e "Dumbo", filmes realmente que expressam de maneira verossímel a força materna.
bj :)

Kamila disse...

Bela seleção de mães, Mayara. Cada uma delas representa um aspecto do amor materno, que é uma das coisas incondicionais e certas de nossa vida. Parabéns para todas as mães!

pedro tavares disse...

Sinto falta de homenagem a Dustin Hoffman em Kramer Vs. Kramer, afinal, grande mãe ele foi para o garoto, não? :)

- cleber . disse...

Por sinal, não gosto muito dos filmes citados ... Ainda assim ... é um dia especial e vale lembrar!

Robson Saldanha disse...

São excelentes filmes que você selecionou e tem um apelo maternal grande... é interessante!

altieres bruno machado junior disse...

Olá

parabéns pela homenagem as mães, elas merecem de todo o coração.
eu já assisti Dumbo, Óleo de Lorenzo, Sexta Feira Muito Louca e Mamma Mia, mas apesar de não ter visto os outros filmes, eu posso dizer que todos mostram um lado das mães: protetoras, amáveis, amigas e acima de tudo apaixonadas pelos seus filhos.

até mais

Wally disse...

Minha mãe preferida aí é a Michaela Odone. Adoro ela, e a forma como Susan Sarandon a interpretou. Além disso, "O Óleo de Lorenzo" é um belo filme.

Ciao!

Mayara Bastos disse...

Nitzombies, obrigada. E não poderia deixar de fora "A Troca", rsrsrs. E bem lembrado sobre o "Bambi". Até Mais! ;)

Jeniss, obrigado e concordo com você. São filmes emocionantes e contam perfeitamente bem a foração maternal. Beijos! ;)

Kamila, obrigada! Com certeza e devemos tudo a elas! Elas Merecem! ;)

Pedro, È verdade!!!!! Desculpe-me por este erro!! ;)

Cleber, com certeza! ;)

Robson, obrigado! E muitos deles emocionantes e tocantes! ;)

Altieres, obrigado! Merecem muito mesmo, aliás devemos nossas vidas a elas por lutarem muito para term o nosso bem! Até Mais! ;)

Wally, concordo com você e tenho que confessar que toda vez que vejo "O Oléo de Lorenzo", não consigo segurar as lágrimas! Ciao! ;)