domingo, 31 de outubro de 2010

Tudo Pode Dar Certo


Depois de uma bem sucedida temporada na Europa, onde nasceu filmes como Match Point e Vicky Cristina Barcelona, Woody Allen retorna a Nova York, sua cidade de origem, para rodar um roteiro que ficou por anos guardado na gaveta como enfeite, como disse o próprio. Tudo Pode Dar Certo tem os elementos que conhecemos nos filmes de Allen, e isso é um alívio.

Boris Yellnikoff (Larry David) é um sujeito que foi professor da Universidade de Columbia, quase foi indicado a um Prêmio Nobel de Física e atualmente dá aulas de xadrez para crianças. Há pouco tempo separado, ele mora em uma espelunca que é chamado de apartamento e tem algumas neuras e ataques de pânico, além de se considerar o único capaz de compreender o caos do mundo. Uma noite, ele depara-se com Melody St. Ann Celestine (Evan Rachel Wood), uma garota do interior que fugiu de casa e pede a Boris para ficar uns dias hospedada em sua casa.

Em Tudo Pode Dar Certo, os diálogos são muito bem trabalhados e encaixa-se com piadas com relação a assuntos sociais, como religião, homossexualismo e tendências suicidas, sem cair nas armadilhas presente em alguns filmes. O uso da narrativa, com o personagem Boris falando diretamente com a câmera cria uma intimidade entre público e produção. O elenco tem como destaque as presenças de Larry David, Evan Rachel Wood e Patricia Clarkson, esta última em ótimos momentos.

Tudo Pode Dar Certo é um típico filme de Woody Allen e mesmo que não seja tão sensacional como foi os novaiorquinos Manhattan e Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. Mas sarcasmo e o sentimento de frustração visto em outros personagens construídos por Woody estão presentes aqui e oferecer ao Cinema uma neurose apaixonante.

Cotação: 8,5

Tudo Pode Dar Certo (Whatever Works, 2009)
Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Elenco: Larry David, Evan Rachel Wood, Patricia Clarkson, Ed Begley Jr., Michael McKean, Henry Cavill, Conleth Hill, Jessica Hecht, Samantha Bee.

15 comentários:

Jonathan Nunes disse...

Adoro o Woddy Allen e estou em falta com esse filme que vem recebendo boas críticas. Vou reservar um tempo para vê-lo. abs.

Mayara Bastos disse...

Jonathan, Woody é um dos meus diretores favoritos e este filme vale muito a pena! Abraços! ;)

Hugo disse...

O grande acerto foi a escolha de Larry David para o papel principal. Ela praticamente repete seu papel da série de sucesso "Curb Your Entusiasm", do sujeito turrão e ao mesmo tempo engraçado.

Até mais

alan raspante. disse...

ótimo filme, muito divertido ;)

Reinaldo Glioche disse...

Filmaço do Woody Allen que muitos consideraram menor, mas eu, francamente, não vejo desta maneira.
Beijos

Wally disse...

Estou em débito com este aí, verei em breve. Não sou fã de Larry David, mas adoro o resto do elenco.

bruno knott disse...

Você gostou bastante do filme, hein?

Eu já não gostei muito e isso tem a ver com o Larry David, não fui muito com a atuação dele, apesar de gostar do cara.

Queria um novo Match Point ou Vicky Cristina Barcelona! ;)

Mayara Bastos disse...

Hugo, também achei acertada a escolha de Larry David, combinou com ele. rsrsrs. Até mais! ;)

Alan, concordo! ;)

Reinaldo, não acredito em "Woody Allen menor", porque acho que toda produção que ele lança, tem aquele toque de qualidade. Beijos! ;)

Wally, também não sou fã do David, mas ele está bem divertido aqui. ;)

Bruno, adoro os filmes de Allen e não vi muito problema na atuação do David. ;)

Kamila disse...

Tô querendo muito conferir este filme, independente das opiniões mistas que os blogueiros cinéfilos deram à obra.

Mayara Bastos disse...

Kamila, pode conferir sem medo. È um trabalho de qualidade do Woody. ;)

Luis Galvão disse...

Seu último parágrafo foi perfeito em declarar minha opinião. Se compararmos, é injustiça. Mas tem ótimos momentos (e a Rachel Wood que eu adoro!)

Cássio Bezerra disse...

Mayara,
1º Muito boa tua crítica, curta mas profunda;
2º Concordo com tudo que escrevestes.
Grande abraço.
;)

Otavio disse...

É mais fácil Woody Allen estar certo do que eu. Mas confesso que andava um pouco triste com a ausência do cinema divertido – e de certa forma nostálgico – desse grande autor americano. Parte da culpa vem da minha expectativa, claro. Mas, agora, entendo que Allen não é obrigado a fazer comédias eternamente. Ninguém fica feliz ou triste o tempo todo. Dito isso, Woody Allen faz filmes de acordo com seu estado de espírito. Ponto. Em "Tudo Pode Dar Certo", temos a morte e o amor, assim como as manias e a poesia. Puro Woody Allen, tentando desvendar esse grande mistério: os relacionamentos.

Bjs!

Matheus Pannebecker disse...

Achei legal, mas nada além disso. O Woody Allen, na minha opinião, tem feito muitos projetos ultimamente - mas poucos são os que realmente são merecedores de grandes elogios. Esse, para mim, ficou num meio termo. Interessante e só.

Película Criativa disse...

Adoro o trabalho de Woody Allen e achei o filme muito bom. Apesar do personagem central interpretado por Larry David ser irritante em alguns momentos, é a cara de Woody Allen.

Evan Rachel Wood está mediana no papel, a considero uma boa atriz e Patricia Clarckson é divina, achei sua personagem muito divertida.