sábado, 27 de agosto de 2011

Quero Matar Meu Chefe


No mercado de trabalho, é inevitável a pessoa ter um chefe, uma pessoa que é preciso a responsabilidade para equilibrar qualquer tipo de elementos que uma organização precisa. Com toda essa pressão, muitas vezes por causa do estresse, problemas em casa ou por outros motivos acaba sendo um sujeito hierárquico, não facilitando a vida de seu subordinado, deixando-o, por muitos casos, traumatizado até dizer chega.

A comédia Quero Matar Meu Chefe mostram três indivíduos que não estão contentes com as atitudes de seus bosses: Nick (Jason Bateman) é um sujeito esforçado que trabalha no mercado financeiro e tem Dave Harken (Kevin Spacey) como patrão. Este controla as entradas e saídas dele, além de iludi-lo com promessas de promoção. O neurótico Dale (Charlie Day) trabalha como assistente de dentista ao lado de Julia (Jennifer Aniston), uma mulher ninfomaníaca, que persegue e comete assédios com Dale. Já na ponta está Kurt (Jason Sudeikis), o único do trio que aparenta amar seu emprego, até seu chefe bacana falecer e deixar a empresa para seu filho viciado Bobby (Colin Farrell).

Depois de um momento de bebedeira, eles resolveram por uma atitude extrema: colocar fim as vidas de Harken, Julia e Bobby, já que eles não cogitam abandonar seus cargos. Como eles não conseguem cometer o crime sozinhos, eles contratam os serviços de um sujeito (papel de Jamie Foxx) que cometeu um delito envolvendo o filme Neve Sobre os Cedros.

O roteiro escrito à seis mãos não deixa de lado o uso das gags recorrentes em comédias do gênero, mas ele surpreende em colocar algumas situações reais, como na questão do porque o trio protagonista não pensa em largar seus empregos por causa de demissões, dando referência à crise econômica que teve início nos Estados Unidos em 2008. Além de deixar essa referência no ar, ainda consegue surpreender pelas reviravoltas e até prender o espectador em saber até quando o plano mirabolante vai adiante.

Outro elemento acertado de Quero Matar Meu Chefe é a escolha do elenco, começando pelo trio formado por Jason Bateman, Charlie Day e Jason Sudeikis, que mostram uma ótima afinidade, especialmente quando se usa a comédia física. Bateman consegue trazer a Nick simpatia e ser a “cabeça no lugar”, Sudeikis, por sua vez, é prejudicado por seu personagem ser um sujeito promiscuo. Já Day, é um meio-termo e infantil.

Já os chefes do mal são muito bem defendidos por Kevin Spacey, Jennifer Aniston e Colin Farrell, como o psicopata, a tarada e o idiota, respectivamente. Spacey excelente e dando medo, Aniston muito diferente dos papéis de moça frágil que a deixou conhecida e Farrell com uma caricatura bizarra, mas divertida. Além de Jamie Foxx, outro que está esquisito como o consultor de assassinatos.

Com uma premissa que baseado na realidade entre o relacionamento entre patrões e empregados, Quero Matar Meu Chefe é uma diversão descompromissada, com piadas de situações e elenco afinado. È um exemplo de película que só está preocupada em entreter, além de dar de brinde uma mensagem legal no final.

Cotação: 8,0

Quero Matar Meu Chefe (Horrible Bosses, 2011)
Direção: Seth Gordon
Roteiro: Michael Markowitz, John Francis Daley e Jonathan M. Goldstein
Elenco: Jason Bateman, Kevin Spacey, Charlie Day, Jennifer Aniston, Jason Sudeikis, Colin Farrell, Jamie Foxx, Donald Sutherland, Lindsay Sloane, Julie Bowen, Isaiah Mustafa, Wendell Pierce, Ron White, Ioan Gruffudd.

10 comentários:

Maria Vilar disse...

Seu texto me deixou mais curiosa em dar uma chance ao filme. :))

Mayara Bastos disse...

Maria, é divertido. Pode dar uma chance a ele sem medo. ;)

Kamila disse...

O que mais me chamou atenção nesta ótima comédia foi o fato de que ela, mesmo tendo uma trama politicamente incorreta, tem uma mensagem final até muito responsável!

Adorei ver Jennifer Aniston e Colin Farrell interpretando personagens completamente diferentes do que estamos acostumados a ver.

cleber eldridge disse...

A impressão que tenho do filme, é que uma comédia boa e sarcástica é o minimo que podemos esperar. Eu o aguardo nas locadoras.

João Linno disse...

Concordo com o seu texto. É uma ótima comédia que se destaca pelo ótimo elenco e situações muito divertidas.

Abs.

Victor Nassar disse...

Eu me diverti a valer com o filme! Uma pena que o personagem do Collin Ferrel seja pouco aproveitado. E confesso que o personagem do Charlie Day me lembrou um pouco o de zack Galifianakis, em termos de ser o ponto excêntrico de um grupo masculino. Mas é uma comédia que vale a pena pelo puro descompromisso de simplesmente entreter!

Mateus Selle Denardin disse...

Uma pena que eu não me diverti tanto quanto muitos outros com esse filme. Sim, algumas situações isoladas são muito boas. Sim, também adorei os atores que interpretam os chefes, além de Bateman, um ator extraordinário mas que não recebe todo o valor que merece. Mas numa soma de todos aspectos, achei decepcionante, e os momentos de inspiração que aparecem vez por outra têm pouco impacto no final. Dei metade da sua nota.

alan raspante disse...

Eu quero assistir este, mas ele nem apareceu nos cinemas da minha cidade ;(

[]s

bruno knott disse...

Realmente, parece oferecer uma boa diversão... mas vou aguardar o DVD!

Fernando Borges disse...

Me fez dar umas boas risadas, principalmente nas cenas com o Jamie Fox. Achei muito irritante a voz daquele ator que interpretava o subordinado da dentista. Não aguentava mais ouvir aquela voz! rs

É um bom filme pra passar o tempo, mas nada genial.