sábado, 13 de agosto de 2011

Um Jantar Para Idiotas


Existem filmes de comédia (especialmente americanos) que retratam a história de um homem comum, com ambições na vida e que acaba tendo uma alteração na rotina por conta de um amor ou amigo novo. Talvez, a última situação está mais presente em Um Jantar Para Idiotas, refilmagem de uma comédia francesa de 1988 chamada Le Dîner de Cons, mesmo que essa questão da amizade demore a engrenar.

Tim (Paul Rudd) é um executivo financeiro que está de olho em uma promoção na companhia em que trabalha e provar para a sua namorada Julie o quão pode ser capaz de realizar seus desejos, já que ela está adiando ter um compromisso sério com ele. Um dia, ao impressionar seu chefe, ele tem a chance de ganhar a tão sonhada promoção quando é convidado para um jantar, em que os participantes devem levar pessoas com costumes bizarros e “idiotas” para caçoar e entregar o prêmio de idiota da noite.

È por uma onda do destino que Tim conhece Barry (Steve Carell), um sujeito que trabalha na receita. Doce, mas bobo e cuja esposa o abandonou por um colega de trabalho, acaba se escondendo em um mundo imaginário através de maquetes com ratinhos como bonequinhos. Com todos esses atributos, Tim vê a chance de conseguir a tão sonhada promoção convidando Barry para esse jantar, mesmo com a reprovação da namorada.

Um Jantar Para Idiotas vai além do que a premissa promete indo fundo em gags do gênero, apesar de que o tal jantar estimule o bullying adulto, fazendo com que perca o interesse em continuar a assistir o filme. Isso por que o personagem Barry, mesmo com suas atrapalhadas, é um doce de pessoa e que não merece passar por esse tipo de humilhação.

O que seria do personagem sem essa doçura e ótimo timing cômico. E Steve Carell consegue isso, além ter uma boa química com seu companheiro Paul Rudd, que também está igualmente simpático no papel de Tim. Além de ambos, o filme traz Zach Galifianakis em uma engraçada aparição como o tal colega de Barry, mas auxiliado sempre por Carell.

Mesmo sendo previsível e aquém do esperado, Um Jantar Para Idiotas possui uma lição legal no final: os verdadeiros idiotas são aqueles que não possuem boas intenções e que zombam de outras pessoas. O sorriso do rosto só acaba aparecendo mesmo nos créditos finais ao som da canção "Dear Laughing Doubters", do cantor e compositor norueguês Sondre Lerche. A letra descreve melhor o lado emocional de pessoas como Barry.

Cotação: 6,0

Um Jantar Para Idiotas (Dinner For Schmucks, 2010)
Direção: Jay Roach
Roteiro: David Guion e Michael Handelman, baseados em roteiro de Francis Veber
Elenco: Steve Carell, Paul Rudd, Zach Galifianakis, Jemaine Clement, Stephanie Szostak, Lucy Punch, Bruce Greenwood, David Walliams, Ron Livingston.

12 comentários:

Rafael W. disse...

Não gostei, achei bem fraquinho.

http://cinelupinha.blogspot.com/

Mayara Bastos disse...

Rafael W., não achei fraquinho, mas esperava mais dele por causa dos nomes envolvidos. ;)

Maria Vilar disse...

Parece ser legalzinho para uma noite chuvosa. :))

Kamila disse...

Gosto do Jay Roach como diretor e o elenco desse filme me faz querer assistir ao longa, mesmo você dizendo que ele é somente regular.

Mayara Bastos disse...

Maria, esse filme é perfeito para momentos como esse. ;)

Kamila, comparando com o último "Entrando Numa Fria" que o próprio Jay Roach não dirigiu, por exemplo, vale a pena. Mais como passatempo mesmo. ;)

disse...

Olá! Adorei seu blog, muito criativo! Também tenho um blog e gostaria que vc desse uma olhada. O endereço é: http://www.criticaretro.blogspot.com/ Passe por lá! Lê ^_^

- cleber eldridge disse...

Coitadinho do Paull Rudd!

Mayara Bastos disse...

Lê, obrigado pela visita! Irei fazer o mesmo ao seu! ;)

Cleber, coitadinho porquê? Aqui ele faz o que sabe de melhor: ser um cara doce e simpático. È isso que acho do Rudd. ;)

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Bacana o seu blog.
Cumprimentos cinéfilos!

O Falcão Maltês

alan raspante disse...

Mesmo que não seja grande coisa, fiquei com vontade de ver!

Adecio Moreira Jr. disse...

Fui assistir meio que a contragosto. É abusado, mas foi ainda melhor que muitas comédias por aí.

Victor Nassar disse...

Putz, a cara do Steve Carrel nesse filme não me faz ter vontade de assisti-lo. Mas pra quem já viu um filme do Ben Stiller esse ano, não seria muito dar uma chance a esse. =]