domingo, 20 de fevereiro de 2011

Bravura Indômita


Depois do autoral Um Homem Sério, os irmãos Joel e Ethan Coen resolveram beber na fonte do livro de Charles Portis, que também já havia inspirado um filme em 1969 com John Wayne. Mas, o que encanta em primeiro lugar em Bravura Indômita é esquecer que existe essa produção e ter o toque dos cineastas e, segundo, a sua protagonista.

No começo do filme, vemos Mattie Ross, já uma mulher narrando sobre o que aconteceu com seu pai, quando ela tinha 14 anos. Ele foi assassinado à sangue-frio por um empregado, Tom Chaney (Josh Brolin), que também roubou as economias da família. Mattie (interpretada por Hailee Steinfeld, em sua estreia no cinema) deixa sua mãe e seus irmãos e chega a Fort Smith, Arkansas, em busca pelo sujeito que matou seu patriarca. Ela quer a ajuda de um agente destemido, mas sem controle na bebida chamado Rooster Cogburn (Jeff Bridges).

Mattie Ross é uma garota forte, teimosa e independente, lembrando um pouco de Ree Dolly, de Inverno da Alma. A maturidade é um forte que essas duas personagens tem em comum, não contando com a mãe para ajudá-las, tem irmãos e um objetivo na cabeça para ajudar a família, deixando a inocência mais cedo, isso pode ser um dos grandes responsáveis pelo funcionamento de Bravura Indômita.

Os irmãos Coen foram felizes nos diálogos e introduzir este tipo de gênero para um público que ainda não teve a oportunidade de conferir o filme original ou desconhece o faroeste. A parte técnica também colabora, principalmente na fotografia, especialmente no ato final, juntamente com os diretores preferirem planos fechados, dando uma experiência intimista, lembrando até Onde os Fracos Não Tem Vez.

Causando essa identificação com Mattie Ross, temos a atuação de Hailee Steinfeld, que esbanja segurança e simpatia, mostrando que tem um belo caminho a percorrer. Jeff Bridges tem uma perfomance impagável, simpática e sem nunca cair na caricatura que acaba atropelando personagens como este. Também temos atuações discretas, mas competentes de Matt Damon como o Texas Ranger LaBoeuf, Josh Brolin como Tom Chaney e Barry Pepper como Lucky Ned Pepper, parceiro do crime de Chaney.

Bravura Indômita tem um belo trabalho fotográfico e também é um ponto de partida para conhecer mais a história de Charles Portis, mas é sobre uma menina disposta a vingar seu pai e torna-se uma adulta precocemente. Ela, sim demonstra que tem bravura indômita!

Cotação: 9,0

Bravura Indômita (True Grit, 2010)
Direção: Joel Coen & Ethan Coen
Roteiro: Joel Coen & Ethan Coen, baseados em livro de Charles Portis
Elenco: Hailee Steinfeld, Jeff Bridges, Matt Damon, Josh Brolin, Barry Pepper.

14 comentários:

Kamila disse...

Não sou a maior fã de westerns, então tenho certeza de que isso afetou meu julgamento sobre o filme. A obra só me conquistou mesmo no terceiro - e lindo - ato final. Espero ver a Hailee Steinfeld e o Roger Deakins ganhando Oscars em breve!

Kahlil Affonso disse...

grande filme! eu esperava mais, mas ainda assim é um excelente filme

http://filme-do-dia.blogspot.com/

Reinaldo Glioche disse...

Boa relação com a protagonista de Inverno da alma Ma. Realmente as duas são ligadas por essa bravura indômita...
Gostei bastante do novo filme dos Coen. um western de respeito!
Bjs

Jonathan Nunes disse...

A Hailee está está ótima mesmo, é para ela a minha torcida na categoria de atriz coadjuvante.

Bjus

Rafael Moreira disse...

Ultimamente está tudo dando errado para eu ver esse filme e espero não passar dessa semana, senão terei de ver em casa mesmo (o que eu não quero). Gosto dos Coen, acho que eles pouco decepcionam. E como Bravura Indômita está sendo bem recebido tenho certeza que gostarei! Beijo.

Victor Nassar disse...

Dessa semana não passa. :S
Não espero tanto assim de Bravura, mas as críticas positivas tem me animado mais. Também não sou dos maiores fãs dos Coen.

E eu adoro vir aqui e ouvir as músicas! haha

Alex Gonçalves disse...

Eu concordo com o comentário da Kamila. O faroeste é um dos gêneros que pouco explorei na minha vida cinéfila e este "Bravura Indômita" não me entusiasmou tanto. Se todo o filme fosse tão pulsante quanto sua meia hora final certamente seria uma obra-prima. Preciso assistir ao filme de John Wayne também.

cleber eldridge disse...

Eu adorei, é um filmão. Hailee está fantástica, assim como todo o elenco - também estou na torcida para que ela ganhe o prêmio!

Otavio Almeida disse...

Filmaço!

Adoro quando Jeff Bridges bate a cabeça nos patos e diz: "Damn ducks!"

Bjs!

Weiner disse...

Um filme envolvente e de modo geral, bastante marcante. Acho que gostei especialmente por três motivos: reavivou um gênero que adoro (o western), os Coen apresentam uma direção mais contida, que em momento algum tenta ser maior que o filme, e por fim a grande Hailee Steinfeld - o acontecimento deste Oscar! Tomara que ela leve a estatueta!
Beijos!

Dewonny disse...

É um bom filme, o Jeff Bridges está ótimo (ñ superou o mestre do western Jonh Wayne - do filme original), mas ele deu conta do recado, o elenco coadjuvante tbm funciona muito bem, mas acho q se trata de um filme q ñ precisava de uma refilmagem/nova adaptação, mas como foi nas mãos dos Coen, então tá td ok, foi um prazer tê-lo visto, os caras dificilmente erram, adoro o cinema deles! nota 7.0!
Abs! Diego!

Mayara Bastos disse...

Kamila, também não só muito fã de westerns, mas esse filme tem muitos fatores que me conquistaram a procurar por outros filmes do gênero. ;)

Kahlil, é um grande filme. ;)

Reinaldo, obrigado! È sim, um western de respeito. Beijos! ;)

Jonathan, também torço pela Hailee, apesar de ela estar na categoria errada! rsrs. Beijos! ;)

Rafael, dá um jeitinho. Espero que consiga assistir, vale a pena! Beijo! ;)

Victor, também não sou muito fã dos Coen, mas eles tem filmes de qualidade. E "Bravura Indômita" entra nessa lista! Valeu pelo elogio ao playlist. ;)

Alex, também pouco explorei o faroeste e preciso assistir o original. ;)

Cleber, filmão mesmo e a Hailee é um achado, também torço por ela. ;)

Otavio, boa, hein? rsrs. Beijos! ;)

Weiner, concordo totalmente com você! Beijos! ;)

Diego, achei um acerto deles em só beber da fonte do livro, não do filme. Ficou um resultado bem satisfatório. Abraços! ;)

Maria Vilar disse...

Parece bom! Vou procurar. :))

Mayara Bastos disse...

Maria, assista. È muito bom! ;)